‘Foram 2h de terror’ diz refém de grupo que roubou bancos em Mato Grosso

Um dos 15 reféns do assalto a dois bancos em Comodoro, cidade a 677 quilômetros de Cuiabá, na tarde desta terça-feira (30) relatou o que presenciou durante a ação da quadrilha, composta por oito homens. O auxiliar de escritório, Osmair de Assis Moura, contou que todos os reféns foram obrigados a formar um ‘escudo humano’ na frente da agência para impedir um possível confronto da polícia.

 “No momento em que eles entraram (no banco) mandaram o gerente entrar em uma das caminhonetes e que todo mundo fosse para fora. Os homens teriam que tirar a camisa e formar um escudo humano em frente da agência”, afirmou.
Em seguida, o bando começou a retirar os malotes de dinheiro da agência e, segundo ele, todos os reféns foram obrigados a entrar em uma caminhonete. O veículo seguiu em direção a uma outra agência bancária do município que também foi assaltada. No local, os criminosos fizeram mais reféns.
Antes de deixar a cidade, a quadrilha atirou contra câmeras do circuito interno de televisão das agências e retirou os equipamentos dos locais. Com todos os reféns distribuídos em duas caminhonetes eles seguiram cerca de 40 quilômetros até uma região de mata fechada, no entroncamento entre as BRs 364 e 174.
No local, os reféns, segundo Moura, desceram das caminhonetes. Um dos veículos foi incendiado e o outro foi abandonado. Os criminosos fugiram em uma região de mata fechada com os malotes de dinheiro. Os reféns, de acordo com o auxiliar, seguiram a pé até Comodoro. Ninguém se feriu durante o assalto.
“Foram mais de duas horas de muito terror em posse dos assaltantes, muitas pessoas desesperadas, chorando muito, entre elas, duas senhoras idosas que foram deixadas no segundo banco. No caminho, eles nos aterrorizavam, mandaram que abaixássemos a cabeça e atiravam para o alto”, contou o auxiliar. Dentre as armas utilizadas durante o assalto, Osmair disse que a quadrilha portava um fuzil H47, uma espingarda calibre 12 e diversas pistolas.
Ao G1, o capitão da Polícia Militar de Comodoro, Mário Roberto Pereira, relatou que dois veículos encontrados foram utilizados pela quadrilha. “Depois de assaltar os bancos eles tentaram fugir rumo à cidade de Pontes e Lacerda, no entanto, encontraram a nossa barreira. Eles retornaram e fugiram para a região da cidade de Campos de Júlio”, informou o capitão.
Policiais formaram um cerco na região de mata, isolando todo o local entre o entroncamento das rodovias, onde os assaltantes podem estar escondidos. Policiais militares de Pontes e Lacerda, Campos de Júlio e Cáceres dão apoio na busca pelos suspeitos. Além disso, equipes do Batalhão de Operações Especiais (Bope), da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e um helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) já se deslocaram até a região de Comodoro.